Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

pt-pt
PORTUGUÊS
en
ENGLISH

Ribafreixo Wines acaba de ser eleita a melhor Adega do Alentejo em Nova Iorque, EUA

A Ribafreixo Wines, produtora de vinhos da Vidigueira, acaba de ser distinguida em Nova Iorque como a Melhor Adega do Alentejo, um reconhecimento individual na mundialmente famosa “New York International Wine Competition”.

Para além deste feito, arrecadou ainda a valiosa Medalha de Ouro no monocasta branco Pato Frio Grande Escolha 2016, Medalha de Prata no blend típico Pato Frio Selecção 2017 – ambos na categoria Portugal DOC White- e Bronze no blend Barrancôa Tinto 2015, tendo este sido premiado na categoria “Portugal, VR Indigenous Varietal Wines”.

A New York International Wine Competition, que vai na sua 8ª edição, é uma das mais prestigiadas no mercado americano, tendo também grande alcance no panorama internacional. Este ano contou com mais de 1300 submissões provenientes de 23 países e em mais de 50 categorias.

Ainda em Nova Iorque, mas desta vez no Ultimate Wine Challenge – outra prestigiada competição mundial de vinho – os resultados foram também bastante positivos: tanto o Gáudio Clássico 2014 como o Barrancôa Tinto 2015 obtiveram 91 pontos tendo sido considerados “Excellent- Highly Recommended” (Excelente, Altamente Recomendado), sendo que este último arrecadou ainda a medalha de “Great Value” (Excelente valor) – que premeia vinhos com uma excelente relação qualidade / preço – distinção essa que foi partilhada com o blend branco Pato Frio Selecção que obteve, por sua vez, 89 pontos.

Para Mário Pinheiro, CEO da Ribafreixo Wines, “Estes são reconhecimentos bastante importantes para a estratégia da empresa, que apesar de já ter alguma atividade no mercado americano, pretende continuar a apostar cada vez mais nesta área geográfica, que é bastante exigente e competitiva, mas também cada vez mais apelativa para os vinhos portugueses.”